Boom das healthtechs no Brasil mostra busca do mercado por soluções de gestão e para a medicina do futuro

Boom das healthtechs no Brasil mostra busca do mercado por soluções de gestão e para a medicina do futuro

No último ano o número de Healthtechs brasileiras, as startups de soluções em saúde, saltaram de 386 para 542. O crescimento foi bastante expressivo, principalmente se comparado ao ano anterior, quando o número de startups de saúde era de 248, segundo o relatório do hub Distrito Adtech.

Mas, o que, exatamente, pode ter impulsionado esse boom de startups de saúde no último ano? Por que, justamente em um ano de pandemia e grandes impactos econômicos, o mercado brasileiro recebeu uma leva de novas empresas?  Bem, a segunda pergunta é praticamente uma auto-resposta da primeira. É fato que, após o boom das fintechs (startups de finanças e investimentos), as Healthtechs já davam sinais de quem seriam as próximas a ocupar os holofotes e atrair os olhares do mercado. Contudo, a Pandemia de Covid-19 pode ter acelerado esse crescimento exponencial por dois motivos: a urgência do mercado em ter soluções rápidas para solucionar problemas da Pandemia e a consciência criada, a partir dos impactos provocados no sistema de saúde, de que a adesão a soluções de gestão e controle de custos é essencial para permitir o funcionamento das empresas.

Gestão é, inclusive, a categoria mais comum dentre as startups de saúde brasileiras, segundo o relatório. Nessa categoria foram consideradas todas as startups com soluções focadas em melhorar a gestão de hospitais, clínicas, laboratórios ou exames, podendo se estender para operadoras de saúde e seus demais serviços. A segunda categoria mais presente nas Healthtechs brasileiras é a de soluções em prontuários eletrônicos.  

Embora não apareça nas primeiras posições do relatório, a categoria de softwares para telemedicina também está entre as soluções em saúde que mais ganharam espaço e investimentos no último ano. Com a regulamentação pelo Ministério da Saúde da realização das teleconsultas durante a Pandemia, até mesmo empresas e operadoras de saúde que operavam no modelo tradicional incluíram planos de atendimento digital na lista de serviços ofertados. 

Soluções mais simples, tecnologias mais complexas: O que esperar da medicina do futuro e como as startups trabalharão por ela?

O cenário do momento para as startups de saúde é de aberta e expansão.  No entanto, um pouco antes desse contexto, em 2019, um relatório Pulse of the Industry, da EY, já havia levantado a tendência de crescimento das empresas cujas soluções estão voltadas para a chamada medicina do futuro. Segundo o relatório, o crescimento da medicina baseada em valor, com uso de dados e dispositivos cada vez mais conectados, era eminente e perceptível. 

O relatório também destacou o crescimento de soluções que, com o uso de recursos de Inteligência Artificial e algoritmos, permitam o cuidado personalizado orientado por dados. A EY também destacou o uso crescente de recursos computacionais modernos, como a computação quântica, para impulsionar as pesquisas genéticas e permitir resultados com mais precisão, agilidade e, é claro, menores custos.

Validação e credibilidade da Saúde Digital em alta

Enquanto vivemos o boom das startups brasileiras e ainda discutimos algumas questões burocráticas, como a regulamentação e a adequação às leis de proteção e segurança de dados, em outros países a saúde digital tem conquistado cada vez mais espaço, credibilidade e validação. 

Um exemplo disso é a aprovação, nos Estados Unidos, do primeiro sistema de realidade aumentada para tratamento cirúrgico, feito em 2018. No mesmo ano a FDA, agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos americano, aprovou também o uso de mais de 30 algoritmos de inteligência artificial para serem usados pelos profissionais de saúde e hospitais. 

Tendências do mercado estão presentes nas Soluções entregues pela hCentrix 

A hCentrix Soluções em Saúde trabalha com duas das soluções apontadas como forte tendência para a medicina do futuro e com alto potencial de resolutividade para problemas no presente.  A ferramenta de gestão de saúde populacional, por exemplo, combina base de dados por inteligência artificial em tempo real e permite a tomada antecipada de medidas para minimizar os impactos no sistema.

Já a ferramenta de automação de autorizações prévias permite mais agilidade e assertividade no processo de autorizações de procedimentos e a otimização dos recursos para as operadoras de saúde. Clique aqui e saiba mais sobre cada uma delas. 

Deixe uma resposta