É possível a segunda opinião antecipar e evitar dilemas em autorizações?

É possível a segunda opinião antecipar e evitar dilemas em autorizações?

Médico, gestor e consultor fala sobre os desafios das operadoras, gargalos e possibilidades

Lidar com pedidos de autorização atípicos ou com solicitações inadequadas é um dilema para as operadoras de saúde. Mas, o que fazer para que isso não seja um verdadeiro pesadelo para o gestor? O que fazer para agir antecipadamente e solucionar divergências em autorizações? Quais as diferenças entre a segunda opinião e a constituição de uma junta médica para solucionar impasses a partir de uma negativa por parte da operadora de saúde? Para responder a essas perguntas precisamos, primeiramente, entender o cenário e todas as limitações que os agentes do sistema de saúde encontram para agir mediante a situação.

A partir de uma discordância técnica o que se espera é agilidade para que tudo seja resolvido sem ultrapassar os prazos preconizados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Nisso, a criação de uma junta médica com todos os critérios e agentes envolvidos pode ser um fator dificultador no que diz respeito ao cumprimento desses prazos. De acordo com o médico, gestor e consultor em saúde, Luiz Fernando Figueiredo, a resolução RN 259 impõe às operadoras de saúde uma atenção maior aos prazos que precisam que ser cumpridos, o que não acontece, por exemplo, em solicitações no Sistema Único de Saúde, o SUS. Os prazos, conforme a complexidade da atenção, vão de 7 a 21 dias úteis da data do pedido até o atendimento, o que representa uma pressão às operadoras para que apresentem suas justificativas em eventuais negativas e não sejam penalizadas.  “A resolução impôs prazos ao mercado privado que precisam ser cumpridos, pois se a operadora não conseguir e o paciente registrar uma queixa, ela certamente será multada”. 

Na prática, negociar caso a caso, seja recorrendo a uma segunda opinião ou ainda em um processo mais burocrático como a constituição de uma junta médica, gasta tempo e pode elevar o risco de a operadora não conseguir solucionar a contento o impasse. Então, qual seria a solução?

Para Figueiredo, o uso de ferramentas tecnológicas que permitam às operadoras enxergarem os casos e agilizar a autorização é essencial para dar mais assertividade e agilidade em todo o processo. “Os prazos determinados pela ANS para o atendimento da solicitação não se alteram com o pedido de segunda opinião e constituição de junta, então a operadora precisa ser célere. Nesse sentido, a solução da hCentrix ajuda fazendo a primeira parte, que é juntar os dados do paciente, da doença e da operadora, por meio de inteligência artificial, e organizar as informações para alertar ou mesmo identificar inadequações suportando a tomada de decisão”, completa. 

O médico trabalha, ainda, como uma plataforma própria que complementa à solução da hCentrix agilizando ainda mais esse processo. “Ao identificar a necessidade de uma segunda opinião ou junta médica, a plataforma da hCentrix permite direcionar automaticamente o caso para a plataforma da Cinco Mais Tecnologia em Saúde e, a partir daí, realizar a gestão totalmente automatizada da divergência, padronizando um processo que hoje em dia é predominantemente manual”. 

Muito além do dilema

É necessário primeiramente subsidiar o profissional regulador de informações do paciente, em informações médicas baseadas em evidência, para então gerenciar adequadamente a assistência. “A junta, instrumento a ser utilizado em arbitragem nas divergências identificadas, é todo um processo burocrático, usando ou não previamente a segunda opinião. Pode-se entender a segunda opinião da plataforma +Perícia da Cinco Mais, como um instrumento prévio de avaliação técnica e de mediação online. A plataforma ao processar uma junta técnica, por sua vez, pode ser vista como uma ferramenta de resolução de disputas assistenciais (termo Online Dispute Resolution – ODR)”, afirma o médico.

As soluções da hCentrix, segundo Figueiredo, ajudam a operadora a solucionar casos que vão além das autorizações de primeiro nível, aquelas que se baseiam na existência ou não do pedido no rol de procedimentos da operadora. “Quando há a necessidade de uma regulação técnica, a qual chamamos de segundo nível, a operadora tem uma certa dificuldade uma vez que nem sempre é possível ao regulador identificar se uma solicitação tem maior complexidade. A hCentrix, com inteligência artificial, reúne um conjunto de informações, inclusive do prestador, para identificar os possíveis gargalos e apresentar esses ao gestor para decisões mais assertivas e munidas de embasamento”, conclui.

Luiz Fernando Figueiredo é médico, administrador de saúde, empresário e consultor. Figueiredo foi consultor do departamento de saúde suplementar, através da OPAS (Organização Pan-Americana de Saúde),na regulamentação da Lei 9656/98 que antecedeu a criação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Este post tem 3 comentários

  1. netflix

    Some really nice and utilitarian information on this internet site, likewise I conceive the style holds superb features. Aurea Ferdy Lassiter Sharron Nevile Hernando

  2. yabanci

    Hi colleagues, how is everything, and what you would like to say regarding this post, in my view its actually amazing in favor of me.| Ellette Wilmer Lud

  3. filmkovasi

    Some really quality content on this site, saved to my bookmarks. Deane Jammal Alisa

Deixe uma resposta