7 desafios na gestão populacional para considerar

7 desafios na gestão populacional para considerar

Qualquer país ou região do mundo tem as suas peculiaridades e individualidades do ponto de vista epidemiológico, como a predominância de algumas doenças típicas, patologias e até mesmo hábitos culturais. Diante dessa realidade, conhecer bem os desafios na gestão da saúde populacional pode ser muito importante para traçar estratégias adequadas.O próprio poder público, assim como as operadoras de planos de saúde e os profissionais em si precisam ter consciência dos problemas mais rotineiros de uma sociedade, como uma forma de traçar condutas mais assertivas e promover ações pontuais em prol do público. Confira o conteúdo a seguir e conheça os principais desafios desse cenário.

Powered by Rock Convert

1. Dificuldade em confiar na tecnologia

A saúde financeira das operadoras de planos de saúde passa por diferentes problemas na atualidade e isso decorre de uma série de fatores, inclusive por uma questão histórica, em que um dos grandes desafios na gestão populacional é a dificuldade dos gestores, sobretudo os mais tradicionais, em confiar na tecnologia vigente, disponível no mercado.Com a mudança no cenário desse segmento no Brasil, seja por conta da própria evolução dos hábitos da população, com o advento da internet, ou, até mesmo, em decorrência das alterações econômicas, essas organizações se deparam com a inexorável necessidade de se reinventarem para garantir a sua sobrevivência.Sobreviver nesse ramo competitivo e cheio de restrições não é simples e, por isso, o uso de novas ferramentas deveria ser celebrado. No entanto, não é isso que vemos e alguns administradores insistem em fazer as coisas do jeito antigo, perdendo eficiência, aumentando as chances de erros e reduzindo sua assertividade.A tecnologia deve ser sempre utilizada em prol do negócio e dos beneficiários. Ao adotar um sistema de gestão, por exemplo, você ganha a possibilidade de integrar os mais diversos dados dos departamentos existentes, garantindo uma maior organização e controle dos processos gerenciais e financeiros, além de evitar o retrabalho.

2. Falta de investimentos em prevenção

Se, por um lado, os gestores mais tradicionalistas podem hesitar em adotar algumas tecnologias para modernizar a administração, por outro, eles enfrentam dificuldades históricas com a cultura do poder público brasileiro, como a de adotar ações imediatistas e responsivas, em vez de apostar em medidas de prevenção. Infelizmente, isso se reflete no setor e muitas operadoras ou empresas que oferecem convênios médicos fazem o mesmo, o que acaba sobrecarregando o sistema. Uma atitude simples, por exemplo, seria disponibilizar formulários impressos ou online, para fazer um mapeamento do perfil de saúde dos usuários e criar ações e campanhas específicas.

3. Insuficiência na proteção contra fraudes

Um problema relativamente comum e que pode ocasionar tremendos prejuízos às operadoras de planos de saúde são as temidas fraudes. Infelizmente, isso ocorre também por conta da insuficiente proteção que temos contra esse tipo de delito. Como ele apresenta grande complexidade, nem sempre é tão simples de ser abordado.O funcionamento de estabelecimentos de saúde e as próprias operações desse tipo de instituição, como hospitais, clínicas e consultórios, por exemplo, tem centenas de tipos diferentes de interações e não é simples acompanhar todos os seus processos. Mais uma vez, a adoção de tecnologias pode eliminar ou reduzir ao máximo esse risco.

4. Deterioração da saúde da população

Também não podemos deixar de lado que há uma deterioração dos níveis de saúde da população, muito em função da adoção de hábitos de vida pouco saudáveis e da própria falta de investimento do poder público, como falamos, em medidas preventivas e de erradicação de doenças evitáveis, como as arboviroses (doenças causadas pelos chamados arbovírus, que incluem o vírus da dengue, Zika, Chikungunya e febre amarela).A qualidade de vida nos ambientes de trabalho ainda é outro ponto negativo, pois muitas empresas também não têm essa preocupação, o que pode ocasionar diversos problemas relacionados ao estresse e ao sedentarismo. São situações que impactam as operadoras de planos, pelo aumento da obesidade, dislipidemias, diabetes e da mortalidade.

5. Processos pouco eficientes

Processos pouco eficientes nas instituições não são uma novidade para as operadoras de planos e, sem sombra de dúvidas, esse é um dos desafios na gestão da saúde populacional no momento. Esse tipo de situação é campeã de queixas entre as empresas que trabalham no segmento, representando um percentual alto no número de reclamações dos usuários.Não obstante, vemos a ANS divulgar, com regularidade, as listas de planos suspensos ou mal avaliados. Entre as principais demandas dos beneficiários, estão o aprimoramento na marcação de procedimentos, negativas de atendimento, ampliação da rede credenciada, o atendimento propriamente dito, entre outros.

6. Inconstância nas informações dos usuários

Com a modernização dos equipamentos e o aumento da capacidade no armazenamento de dados, saber como interpretá-los é fundamental para estabelecer novas ações e medidas que permitam a redução de custos, o melhor direcionamento dos recursos existentes e, até mesmo, a ampliação da qualidade de vida dos beneficiários.Conhecer o público-alvo, portanto, é imprescindível no planejamento estratégico, sendo um elemento primordial para a administração dos riscos. Mais uma vez, contar com uma ferramenta como um software de gestão pode ser muito interessante, visto que ele não apenas centraliza os elementos, como também produz relatórios.

7. Baixo monitoramento dos resultados

Por fim, qualquer empresa, dos mais variados segmentos do mercado, deve saber da importância de mensurar o seu desempenho, até mesmo como uma maneira de reforçar as ações exitosas e de realinhar as estratégias menos eficientes. No entanto, esse segue sendo um dos desafios na gestão populacional.É essencial identificar necessidades de ajustes para modificar o que for preciso e isso só é possível com a implantação de indicadores. Afinal, eles produzirão métricas que podem ser mensuradas e comparadas. Como gestor, compartilhar essas informações com a equipe e os planos também é uma forma inteligente de oferecer feedbacks, positivos ou não.Como você pôde ver ao longo desse conteúdo, os desafios na gestão da saúde populacional podem ser vencidos por meio da adoção de ações pontuais e atitudes estratégicas, que devem se unir aos benefícios que a tecnologia oferece nos tempos de hoje.Gostou de aprender mais sobre os desafios na gestão da saúde populacional? Quer receber outros conteúdos como esse com prioridade? Então não perca mais tempo e assine a nossa newsletter!

Deixe uma resposta