Dados, administração de recursos e protagonismo: Pesquisa revela preocupações e anseios das empresas com a Gestão da Saúde

Dados, administração de recursos e protagonismo: Pesquisa revela preocupações e anseios das empresas com a Gestão da Saúde

Realizada pela hCentrix, pesquisa ouviu dezenas de executivos de RH de corporações de médio e grande porte.

O acesso à saúde é considerado, atualmente, um dos maiores benefícios (senão o maior) no mundo corporativo. Diversos estudos dão conta de que ter um plano de saúde é considerado muito importante para a maioria dos colaboradores. Não à toa, o plano de saúde é o benefício mais oferecido pelas empresas no Brasil segundo um estudo feito pela Aon Hewitt em 2011.  Isso significa que as empresas, por meio da atuação de seus profissionais de Recursos Humanos, tem como preocupação a saúde e o bem-estar de seus colaboradores e visam garantir que eles tenham proteção e assistência garantidas.

Essa realidade, no entanto,  vai de encontro a uma questão preocupante para as empresas: o custo, cada vez mais alto, das despesas médicas e a elevação da folha. Tanto, que, depois da folha de pagamento, o plano de saúde tem se tornado o maior custo para as corporações. Mas, o que pode ser feito para solucionar esse problema? Para responder a essa pergunta é necessário, primeiramente, entender a realidade dessas empresas. E, para isso, a hCentrix fez uma pesquisa com executivos de RH de diversas empresas e mapeou alguns pontos centrais para uma melhor jornada da Saúde. A pesquisa ouviu no mês de julho deste ano setenta executivos com poder de decisão sobre o benefício em empresas de médio e grande porte nos setores de manufatura, bens de consumo, químico, varejo, serviços financeiros, tecnologia, agro, energia, educação, saúde, alimentação e aviação.

O primeiro resultado endossou o que todos os agentes do Sistema de Saúde já sabem: mesmo em um cenário ideal, livre de grandes eventualidades, os custos de saúde tendem a apresentar um crescimento gradual ano após ano. Esse custo é justificável, em parte, devido ao reajuste anual das próprias operadoras de saúde somado ao aumento no preço de insumos e modernização de tratamentos e equipamentos. Outro fator que justifica o aumento dos custos é evolução do quadro de saúde dos colabores. Casos de pacientes crônicos não acompanhados ou não relatados, por exemplo, podem evoluir para outras patologias mais graves e, consequentemente, demandar mais assistência e maiores recursos.  Os custos podem, ainda, virem a ser maiores em cenários de calamidade, como a pandemia de Covid-19. Nesse caso, os custos com saúde tendem a ser subitamente maiores, o que impacta tanto as operadoras de saúde quanto a folha das empresas.

O segundo ponto identificado foi o grau de preocupação dos gestores de RH com o aumento desses custos. Os indicadores demonstram que a Gestão de Saúde Corporativa está no topo das preocupações dos gestores corporativos. Eles também apresentaram grande preocupação no que diz respeito ao acesso aos dados populacionais para, assim, terem mais previsibilidade no controle dos gastos e condições de desenvolverem estratégias de prevenção identificando oportunidades de intervenção para que suas ações sejam mais assertivas.

Outro dado importante aferido foi a percepção sobre as possibilidades das novas tecnologias na Saúde, incluindo a Inteligência Artificial. Os gestores respondentes enxergam esses recursos como a chave para que se possa, num futuro cada vez mais próximo, fazer o gerenciamento de casos e pontos críticos a partir da mensuração dos dados em tempo real. Esse fator foi apontado como importante e necessário pelos gestores.

Ainda falando na possibilidade em se trabalhar com dados em tempo real, uma questão específica tratou desse tema e o resultado endossou a relevância das ferramentas da hCentrix não apenas para as operadoras de saúde como também para as próprias empresas. Ter dados em tempo real para discutir e decidir com a operadora sobre os casos de maior risco e custos operacionais foi visto como uma prioridade e a maior necessidade entre todas apresentadas para os gestores. Logo, entendemos que uma nova forma de se pensar a saúde tem emergido dentro das empresas e o entendimento de que a busca por soluções para a gestão de saúde e economia de recursos só será possível com a atuação unificada de todas as partes envolvidas.

Dessa forma, é perceptível que há um pleno entendimento de que somente o recebimento de dados finais da operadora de saúde não são suficientes para mensurar, prever e se antecipar aos custos de saúde dos colaborares. Mais que uma preocupação com os custos crescentes, há uma busca por soluções que possibilitem o protagonismo dentro das corporações, não apenas para prever o futuro, mas também para gerenciar o presente com mais assertividade e propriedade a fim de melhorar a experiência na jornada do paciente. Todas essas percepções estão alinhadas à proposta da hCentrix em entregar soluções a partir de tecnologia da informação para permitir esse protagonismo e uma nova forma de gestão de saúde para empresas a partir do contato com seus colaboradores, com as operadoras de Saúde e demais players. Consequentemente, quando todos os fatores contribuem para a melhoria na experiência do paciente, os impactos positivos gerados beneficiam todo o Sistema de Saúde.

2020, um ano atípico:

A pandemia de Covid-19 provocou uma série de impactos no Sistema de Saúde, fatores considerados na formulação e aplicação da pesquisa. O cenário atípico, contudo, só reforçou a importância em se ter condições de avaliar em tempo real para gerir melhor os recursos atuais, prever os impactos futuros e intervir para que casos com maior potencial de risco não venham a se desenvolver e se tornarem um problema no futuro.

Confira aqui o resultado completo da pesquisa!

Deixe uma resposta